CNJ diz que fim das saidinhas não tem amparo em evidências