Violência não pode significar morte de crianças, diz membro da ONU